Clínica de Alergia em Brasília/DF – Alergo Vaccine

 

O que é alergia?

É uma resposta exagerada do sistema imunológico a certas substâncias (alérgenos). Os portadores de alergias são chamados de atópicos ou alérgicos.

 

O que são alérgenos?

São substâncias comuns e inofensivas para o indivíduo não alérgico. Os alérgenos podem ser: ambientais como: fungos, ácaros ( Dermatophagoides pteronissinus, Dermatophagoides farinae e Blomia tropicalis), alimentares (leite de vaca, ovo, soja, trigo, frutos do mar, amendoim), insetos (mosquitos, abelhas, vespas, marimbondos e baratas), pêlos, urina e saliva de cães e gatos, medicamentos (antibióticos, anti-inflamatórios, contrastes radiológicos, hormônios ) e outros.

É uma doença freqüente?

Atinge cerca de 30% da população mundial segundo dados da Organização Mundial de Saúde. O problema é de tão grande relevância que no Brasil foi instituído o Dia Nacional da Alergia.

 

O que são ácaros?

São organismos microscópicos que se alimentam de descamação da pele humana, restos de alimentos e fungos. Vivem em ambientes úmidos que tenham acúmulo de poeira principalmente colchões, travesseiros,

tapetes, carpetes, cortinas, estofados e bichos de pelúcia. Entretanto, não é o ácaro em si que provoca alergia e sim as fezes do ácaro. Em um grama de poeira existem cerca de 2.000 ácaros. Um ácaro elimina 32 bolotas fecais por dia. Em cada grama de poeira existem 64.000 bolotas fecais. O principal foco de acúmulo de ácaro é o colchão, pois reúnem as condições ideais de temperatura, umidade e nutrientes para a proliferação do mesmo. Portanto, literalmente o alérgico dorme com seus principais inimigos que são os ácaros.

 

Como a alergia pode se manifestar?

A alergia pode se manifestar  em qualquer parte do nosso corpo. Se for alergia do trato respiratório, o paciente poderá ter Rinite Alérgica ou Asma, se for nos olhos, o paciente poderá ter Conjuntivite Alérgica; na pele Urticária, Angioedema, Dermatite Atópica ou Dermatite de Contato e no Trato Gastrointestinal (Alergia Alimentar).

 

O paciente alérgico pode ter uma manifestação grave podendo até morrer?

Sim, o alérgico pode ter reação grave, com dificuldade de respirar (edema de glote), queda de pressão arterial (hipotensão), diminuição dos batimentos cardíacos (bradicardia) e tosse rouca. É o que chamamos de Anafilaxia.

 

Como ocorre a reação alérgica?

Um indivíduo atópico, ou seja, que tenha predisposição genética para resposta alérgica (produção exagerada de anticorpo IgE) quando  entra em contato pela primeira vez com alérgeno, há produção destes anticorpos da classe IgE e  ficam presos a células denominadas de mastócitos. Quando ocorrem contatos subseqüentes com esses mesmos  alérgenos, há liberação de substâncias químicas pelos mastócitos levando ao processo alérgico.

 

Como se faz o diagnóstico de alergia?

Primeiramente, o diagnóstico é realizado por História Clínica cuidadosa, exame físico e exames complementares como  teste cutâneo de leitura imediata  (Prick Test ou puntura), teste cutâneo de leitura tardia ( Intradérmico e Testes de Contato), Teste de Provocação oral para alimentos, Teste de Função Pulmonar,  Determinação da IgE sérica (exame de sangue), além de outros.

 

O que é e como é feito o Prick Test?

Prick test ou Puntura é exame simples, baixo custo, sensível e rápido. Através dele pode-se detectar presença de anticorpos específicos contra alérgenos.

Aplica-se na pele do paciente uma gota dos extratos alergênicos na superfície volar do antebraço e com puntor (instrumento pontiagudo) exerce-se uma pequena pressão no meio da gota. Aguardam-se quinze a vinte minutos e se faz a leitura.

Clínica de Alergia em Brasília/DF - Alergo Vaccine

 

Qual é o objetivo da Imunoterapia (vacina de alergia) para o tratamento de alergia?

O objetivo das vacinas de alergia (Imunoterapia específica) é diminuir a sensibilidade a certos alérgenos  que são difíceis de serem  retirados da vida do alérgico como, por exemplo: ácaros, cães, gatos, pólens, fungos e baratas. Somente deverão ser prescritas por um especialista de acordo com os resultados dos testes alérgicos com extratos padronizados. As doses são aplicadas de forma gradativa por via subcutânea por no mínimo três anos ininterruptos. O tratamento é demorado mais tem bons resultados quando bem indicados. As vacinas não substituem as medidas de controle ambiental.

 

A participação da família é importante?

Nenhum tratamento pode dar certo, se não contar com a insubstituível colaboração do próprio paciente e de sua família. Aceitar que doença alérgica é uma doença crônica, que deve ser tratada não apenas nos momentos de piora, mas diariamente. As medidas de controle ambiental são fundamentais para o êxito do tratamento. Durante a consulta com o especialista esclarecer dúvidas, comunicar o aparecimento de efeitos colaterais ou novos sintomas. Evitar trocas constantes de tratamento, dar tempo ao médico para que ele possa atuar. É proibido proibir sem razão. O alérgico bem orientado pode e deve ter vida normal sem grandes restrições desde que bem orientado pelo médico especialista.

 

IMUNOTERAPIA:

Consiste na aplicação de doses gradualmente crescentes de extratos de alérgenos  específicos em indivíduos sensíveis e com manifestações clínicas, cujo o objetivo é a alteração da resposta imunológica, com aumento da tolerância à exposição natural ao alérgeno e conseqüente diminuição dos sintomas alérgicos. Geralmente, o tratamento dura de 3 a 5 anos. Não deverá suspender as medicações e a Imunoterapia sem ordem médica. Geralmente, obtemos o início da resposta à imunoterapia com 4 meses de tratamento.

 

1) INDICAÇÕES: Doenças mediadas por anticorpo da alergia (IgE):

  • Asma, Rinossinusite e Conjuntivite alérgicas;
  • Reações anafiláticas ao veneno de insetos (abelhas, vespas e formigas).

2) CONTRAINDICAÇÕES: São geralmente relativas, necessita avaliação dos riscos e benefícios de cada caso e são as seguintes:

  • Imunodeficiência grave;
  • Doenças Autoimunes em atividade;
  • Doença maligna (Tumores) em fase avançada ou terminal;
  • Enfermidades psicológicas graves;
  • Uso de beta-bloqueadores ou outros bloqueadores adrenérgicos;
  • Má  adesão;
  • Asma grave não controlada por medicações e/ou obstrução irreversível das vias respiratórias;
  • Doença cardiovascular significativa (Insuficiência Cardíaca Congestiva, Infarto recente, Hipertensão Arterial não controlada);
  • Patologias que contra-indiquem uso de adrenalina;
  • Crianças com menos de 02 anos de idade;
  • Não deverá ser iniciada na gravidez. No caso de engravidar na vigência da imunoterapia, não haverá necessidade de interromper o tratamento caso esteja sendo bem tolerado;

3) TÉCNICA: Será injetado por via subcutânea. O paciente deverá aguardar 30 minutos na Clínica.

4) REAÇÕES LOCAIS: Podem ocorrer vermelhidão, inchaço ou coceira.

5) REAÇÕES SISTÊMICAS: Raramente ocorrem espirros, tosse, coceira e placas avermelhadas no corpo,inchaço nos lábios ou pálpebras, chiado no peito. Quase todas as reações acontecem até 30 (trinta) minutos após a injeção.

6) NÃO APLICAR, SE O PACIENTE:

  1. Tiver febre ou mostrar outros sinais de infecção;
  2. Apresentar sintomas de asma;
  3. No caso de IT com veneno de insetos, se o paciente foi picado por abelha ou vespa nos últimos 7 dias.

 

Autoria: Dra. Marta de Fátima Rodrigues da Cunha Guidacci-CRM: 7.600-DF