O que é Herpes Zóster?

É uma infecção que resulta da reativação do vírus da Varicela (Catapora) que permanece durante anos latentes nos gânglios do sistema nervoso. Ele é reativado quando a nossa imunidade cai, o que acontece, principalmente após os 50 anos, em decorrência do processo natural de envelhecimento do sistema imunológico, ou em pessoas com comprometimento do sistema imune, com doenças crônicas, neoplasias, AIDS, e outras, ou submetidas a tratamentos imunossupressores (como quimioterapia, por exemplo). O Herpes zóster pode acontecer mais de uma vez ao longo da vida.

 

Por algum motivo, após a reativação, os vírus da varicela se deslocam pelos nervos periféricos até alcançarem uma região da pele, causando a característica erupção do Herpes Zóster, na forma de vesículas. Quando geram dano permanente no nervo produzem dor crônica.

 

É uma doença freqüente?

O Centro de Controle e Prevenção de Doença dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês) afirma que uma em cada três pessoas desenvolverá Herpes Zóster em algum momento da vida. Esse órgão também estima em cerca de 1 milhão o número de casos registrados no país todos os anos. A maior ocorrência da doença é devido a maior longevidade, maior exposição solar e estresse.

 

Existem diferenças entre Herpes Zóster e o  Herpes Simples?

 

 

Como se manifesta Herpes Zóster?

Geralmente, manifesta com lesões que acompanham trajeto de um nervo e geralmente é unilateral. Os primeiros sintomas são formigamento e dor no lugar onde vão aparecer as lesões e, em alguns casos, febre baixa no primeiro dia. Depois, começa a aparecer vermelhidão no local afetado e só então eclodem as bolinhas com água, ou seja, as vesículas contendo o vírus. As vesículas  evoluem para crostas. As lesões localizam  mais comumente no tronco. As lesões podem  ser brandas , discretas e não progressivas ou bastante graves, atingindo órgãos importantes como os olhos. Geralmente, apresentam dor lancinante, que é o que mais incomoda geralmente difícil de controlar. A dor  pode durar até muitos meses depois que as lesões de pele desaparecem, atrapalhando muito a vida, denominada Neuralgia pós herpética, que é a complicação mais freqüente.  As lesões geralmente duram de 7 a 10 dias e a erupção cura-se completamente em 2 a 4 semanas. É uma doença popularmente conhecida como cobreiro.

 

 

 

 

 

Posso ter novamente a doença o Herpes Zóster?

Taxa de recorrência pode ser comparável com taxa de primeiro episódio. Um episódio de Herpes Zóster infelizmente não traz garantia de imunidade permanente contra doença, ou seja, pode ocorrer recorrência da doença.

 

Quais pacientes apresentam maior risco de  desenvolver a doença e complicações?

Risco, gravidade, hospitalização e óbitos são maiores à medida que a idade avança e também em mulheres. Existe risco de desenvolver AVC (Acidente Vascular Cerebral) nos seis meses subseqüentes ao Herpes Zóster, principalmente o Herpes Zóster  oftálmico. Incidência de Herpes Zóster  oftálmico varia de  2,5% a 20%.

34% dos pacientes com Herpes Zóster  oftálmico apresentam perda leve da visão, 5% moderada e 5% perda grave. Pode evoluir para forma crônica ou recidivante, o que requer tratamento em longo prazo. No Reino Unido, estima-se 7.000 casos anuais de Herpes zoster, sendo 2,5% apresentam forma oftálmica. Acredita-se que com a introdução da Vacina contra Herpes Zóster desde 2013, poderão reduzir o número de Herpes zoster oftálmico e suas seqüelas relacionadas, assim como Neurite pós herpética.

 

Existe risco em pacientes com AIDS?

O risco de Herpes Zóster, bem como sua recorrência em adultos infectados pelo HIV é 15 vezes maior que a indivíduos HIV negativos.

 

Como se dá a transmissão do Herpes Zóster?

Como no Herpes Zóster a lesão é localizada, não há transmissão respiratória, mas  pode ser transmitida através do contato com as lesões, porque o vírus está ativo dentro das lesões vesiculares. Portanto, quem tem criança vivendo na mesma casa não precisa ter medo de transmitir o vírus apenas por conviver no mesmo ambiente com a pessoa infectada. Doença herpes zoster é menos contagiosa que varicela.

 

Quais são as complicações do Herpes Zóster?

As complicações do Herpes Zóster incluem Neuralgia Pós-Herpética (NPH), cicatrizes, superinfecção bacteriana, paresias/paralisias neuronais motoras e cranianas e comprometimento significativo da visão e audição.

 

O Herpes Zóster só acomete idoso?

O Herpes Zóster (HZ) pode desenvolver em qualquer faixa etária, mas quanto maior a idade, mais grave é o quadro de HZ e mais freqüentes são as complicações como HZ oftálmico, superinfecções bacterianas (septicemia e abscessos, raramente HZ disseminado), invasão sistêmica com meningite, encefalite e acometimento de outros órgãos e principalmente Neuralgia pós herpética.

Como posso me prevenir?

A melhor prevenção é a Vacina Herpes Zóster!!!! Clique aqui e saiba mais sobre essa vacina.

Está disponível na Alergo Vaccine, a vacina Herpes Zóster, subcutânea e em dose única para homens e mulheres a partir dos 50 anos de idade independente do histórico de Varicela (Catapora).

.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

  • Yawn BP and cols Mayo Clinics Proceedings 2007;82 (11):1341-9
  • Oxman MN and colsThe New England Journal of Medicine 2005;352(22):2271-84;
  •  Harpaz R, Ortega-Sanchez IR, Seward JF. Prevention of Herpes Zoster: recommendations of the Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP). MMWR Recomm Rep 2008; 57(RR-5):1-30.
  • Scott DA, Coulter WA, Lamey PJ. Oral shedding of Herpes simplex virus type 1: a review. J Oral Pathol Med. 1997 Nov;26(10):441-7.
  • Whitley RJ. Herpes simplex virus infection. Semin Pediatr Infect Dis. 2002 Jan;13(1):6-11.
  • Davison AJ. Evolution of sexually transmitted and sexually transmissible human Herpes viruses. Ann N Y Acad Sci. 2011 Aug;1230(1):E37-49.
  • Dworkin RH, Johnson RW, Breuer J, et al: Recommendations for the management of Herpes Zoster. Clin Infect Dis 2007; 44(Suppl 1):1-26.
  • Workowski KA, Berman S, & Centers for Disease Control and Prevention: Sexually transmitted diseases treatment guidelines, 2010. MMWR Recomm Rep 2010; 59(RR-12):1-110.
  • Gilbert S, Corey L, Cunningham A, Malkin JE, Stanberry L, Whitley R, Spruance S. An update on short-course intermittent and prevention therapies for Herpes labialis. Herpes. 2007 Jun;14 Suppl 1:13A-18A.
  • Bernstein DI, Bellamy AR, Hook EW 3rd, Levin MJ, Wald A, Ewell MG, Wolff PA, Deal CD, Heineman TC, Dubin G, Belshe RB. Epidemiology, clinical presentation, and antibody response to primary infection with Herpes simplex virus type 1 and type 2 in young women. Clin Infect Dis. 2013; 56(3):344-51.
  • Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Varicela. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/Anvisa+Portal/Anvisa/Inicio/Portos+Aeroportos+e+Fronteiras/Publicacao+Portos+Aeroportos+e+Fronteiras/Varicela. Acesso em: 16/09/2013.
  • Portal da saúde. Varicela/Herpes Zoster. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1660. Acesso em: 16/09/2013.
  • Martín JM, Villalón G, Jordá E. Update on the treatment of genital Herpes. Actas Dermosifiliogr. 2009 Jan-Feb;100(1):22-32.
  • http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/rr570a1.htm?scid=rr5705a1
  • https://familia.sbim.org.br/doencas/94-herpes-zoster
  • Rocha, J; Arlant, LHF; Richtmann,R- Direto à questão: Vacina herpes zoster (atenuada):
  • BULA DA VACINA CONTRA HERPES ZOSTER (LABORATÓRIO:MSD);
  • IMAGENS RETIRADAS DO GOOGLE – IMAGENS NA WEB.

AUTORIA:

Dra. Marta de Fátima Rodrigues da Cunha Guidacci- CRM: 7.600-DF