VACINAS CONTRA AS DOENÇAS PNEUMOCÓCICAS

  

  • Quais as vacinas existentes contra os pneumococos?

Atualmente existem três tipos de vacinas pneumocócicas mais utilizadas disponíveis no mercado: a vacina polissacarídica (Pneumocócica 23-valente), vacina conjugada (Pneumocócica 10 valente) e a vacina conjugada (Pneumocócica 13 valente).

 

  • Qual a diferença entre essas vacinas?

A vacina Pneumocócica  23-valente não é eficaz para crianças abaixo de 2 anos de idade e pouco eficaz em crianças de outras idades. A resposta imunológica das crianças desta faixa etária não é boa, com baixa produção de anticorpos específicos, queda rápida dos seus níveis de anticorpos e não ocorre fenômeno de memória quando há re-exposição. Por outro lado, entre adultos, idosos e pacientes com doença de base, a eficácia é bastante satisfatória para formas graves da doença. A persistência da imunidade não é muito boa. Dependendo da idade e da  presença de outras doenças (comorbidades) existe indicação de revacinação.

A vacina pneumocócica conjugada 10-valente (VPC10) previne cerca de 70% das doenças graves (pneumonia, meningite, otite) em crianças, causada por dez sorotipos de pneumococos. Proteção para sorotipos: 1, 4, 5, 6B, 7F, 9V,14,18C,19F e 23F.

A vacina conjugada Pneumocócica 13-valente apresenta melhor resposta imune especialmente para as crianças menores de dois anos de idade, estimulando a produção de anticorpos nesta faixa etária, bem como um forte efeito de memória na re-exposição. Os tipos de antígenos contidos nesta vacina são aqueles relacionados com as formas mais graves de doença pneumocócica. Previne cerca de 90% das doenças graves (pneumonia, meningite, otite) em crianças, causadas por 13 sorotipos de pneumococos. Proteção para os sorotipos 1, 3, 4, 5, 6A, 6B, 7F, 9V, 14, 18C, 19A, 19F e 23F do Streptococcus pneumoniae.

São  vacinas inativadas, portanto não têm como causar as doenças.

 

  • Para quem as vacinas pneumocócicas estão indicadas?
  •  Para crianças a partir de 2 meses e menores de 6 anos de idade é recomendada a vacinação rotineira com VPC10 ou VPC13.
  • Para crianças com mais de 6 anos, adolescentes e adultos portadores de certas doenças crônicas, recomenda-se esquema com as vacinas VPC13 e VPP23.
  • Para maiores de 50 anos e, sobretudo, para maiores de 60, recomenda-se esquema com as vacinas VPC13 e VPP23.
  • Crianças menores de 6 anos que completaram o esquema de vacinação nas Unidades Básicas de Saúde com a vacina PCV10 têm benefícios se tomarem mais uma dose da VPC13, o que aumenta a proteção contra a doença pneumocócica.
  • Para crianças a partir de 6 anos, adolescentes e adultos com doenças crônicas que justifiquem a vacinação e ainda não vacinados: recomenda dose única da VPC13.
  • Em algumas situações, duas doses com intervalo de dois meses podem estar indicadas. Nesses casos, pode ser necessário complementar a vacinação com a vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente (VPP23).
  • Para maiores de 50 anos: dose única da VPC13..
  • Para os maiores de 60 anos, recomenda-se complementar a vacinação com a vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente (VPP23).

A vacinação com a vacina Pneumocócica 23 é recomendada para indivíduos selecionados, como segue:

 

Indivíduos imunocompetentes:

  • Vacinação de rotina para indivíduos com 50 anos de idade, ou mais;
  • Indivíduos com 2 anos de idade, ou mais, com doença cardiovascular crônica, doença pulmonar crônica, ou diabetes melito;
  • Histórico de alcoolismo, doença crônica do fígado (inclusive cirrose) ou vazamento de fluido cérebro-espinhal, asplenia anatômica ou funcional, que residem em ambientes ou meios sociais especiais (inclusive nativos do Alasca e certas populações de índios americanos).

 

Indivíduos imunocomprometidos:

  • Indivíduos com 2 anos de idade, ou mais inclusive aqueles com infecção por HIV, leucemia, linfoma, doença de Hodgkin, mieloma múltiplo, câncer generalizado, insuficiência renal crônica ou síndrome nefrótica; pacientes que receberem quimioterapia imunossupressora (inclusive corticosteróides) e indivíduos que receberam transplante de órgãos ou de medula óssea.

 

  • Quantas doses da vacina eu preciso administrar na criança para conferir imunidade para a mesma?

VPC10 ou VPC13

  • O Programa Nacional de Vacinação passou a adotar, em 2016, na rotina de vacinação infantil, duas doses de VPC10 com intervalo mínimo de 2 meses no primeiro ano de vida e uma dose de reforço aos 12 meses de idade.
  • As Sociedades Brasileiras de Pediatria (SBP) e de Imunizações (SBIm) recomendam a vacinação infantil de rotina com quatro doses: aos 2, 4 e 6 meses de vida e reforço entre 12 e 15 meses.
  • Para crianças entre 1 e 2 anos e não vacinadas: duas doses com intervalo de dois meses.
  • Para crianças entre 2 e 5 anos de idade e não vacinadas: uma dose.
  • Para crianças entre 2 e 5 anos e portadoras de doenças crônicas que justifiquem, pode ser necessário complementar a vacinação com a vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente (VPP23).

Crianças que começam a vacinação com atraso, após os 6 meses de vida, precisam que seus esquemas sejam adaptados de acordo com a idade de início. A SBP e a SBIm recomendam que se a criança foi vacinada com a VPC10, se beneficia da proteção de uma dose adicional da VPC13, administrada dois meses após a última VPC10.

 

  • Pneumocócica 13 Valente:
Esquema de imunização de rotina recomendado para o uso da vacina pneumocócica 13-

valente (conjugada) para lactentes de 2 meses a 6 meses, e acima de 7 meses e crianças não vacinadas previamente com a vacina pneumocócica 7-valente ou 13-valente (conjugada) na idade da primeira vacinação.

Idade na primeira dose Série primária Dose de reforço
2 – 6 meses 3 doses 1 dose entre 12 – 15 meses
7 – 11 meses 2 doses 1 dose entre 12 – 15 meses
12 – 23 meses 2 doses
24 meses – 5 anos (antes do

6º aniversário)

1 dose*

 

* Exceto em imunodeprimidos, que devem receber duas doses com intervalo de dois meses entre elas.

 

  • Pneumocócica 23:
  • Para crianças acima de 2 anos, adolescentes e adultos que tenham algum problema de saúde que aumenta o risco para doença pneumocócica (diabetes, doenças cardíacas e respiratórias graves; sem baço ou com o funcionamento comprometido desse órgão; com problemas de imunidade, entre outras condições).
  • Para pessoas a partir de 60 anos deve ser aplicada de rotina.

 

Esquemas de doses para maiores de 60 anos::

  • Recomenda-se a combinação da VPP23 com a VPC13. Idealmente, deve-se iniciar o esquema com a aplicação de vacina pneumocócica conjugada ( VPC13)  e aplicar uma dose da VPP23 seis a doze meses depois da dose da vacina conjugada, e outra cinco anos após a primeira dose de VPP23.
  • Na maioria das vezes não se recomenda aplicar mais de duas doses de VPP23.
  • A vacina pode ser aplicada com outras vacinas ou utilizando algum tipo de medicação?

 

A vacina Pneumocócica 13-valente (conjugada) e  Pneumocócica 23 podem ser administradas com qualquer um dos seguintes antígenos de vacina, seja de modo monovalente ou em vacinas combinadas: difteria, tétano, pertussis acelular ou de célula inteira, Haemophilus influenzae tipo b, poliomielite inativada, hepatite B, meningocócica de sorogrupo C ou ACWY, sarampo, caxumba, rubéola e varicela. Estudos clínicos demonstraram que as respostas imunológicas e os perfis de segurança das vacinas administradas não foram afetados.

 

  • Quem não deve receber as vacinas Pneumocócicas?

As vacinas pneumocócicas estão contraindicadas para pacientes hipersensíveis a qualquer dos componentes da vacina, incluindo o toxóide diftérico.

 

  • Quais são os efeitos e eventos adversos?

 

  • Vacina Pneumocócica conjugada 10-valente – Dor, inchaço e vermelhidão são relatados por 38,3% dos vacinados. Entre os sintomas gerais, irritabilidade é o mais comum (52,3%). Em mais de 10% ocorre sonolência, perda de apetite e febre. Entre 0,1% e 0,01% dos vacinados (crianças com até 5 anos) apresentam dificuldade respiratória, diarreia, vômitos, choro persistente. Erupções na pele e convulsões ocorrem em menos de 0,01% dos vacinados.

 

  • Vacina Pneumocócica conjugada 13-valente   – Em mais de 10% das crianças vacinadas ocorrem: diminuição do apetite, irritabilidade, sonolência ou sono inquieto, febre e reações no local da aplicação (dor, vermelhidão, inchaço ou endurecimento). Entre 1% e 10% dos vacinados relatam: diarreia, vômitos, erupção cutânea, febre acima de 39°C. Entre 0,1% e 1% são acometidos por choro persistente, convulsões, urticária, reação local intensa. Raramente (entre 0,01% e 0,1%) ocorrem: episódio hipotônico-hiporresponsivo (EHH) e anafilaxia.

 

  • Em adultos, mais de 10% apresentam: diminuição do apetite, dor de cabeça, diarreia, erupção cutânea, dor nas articulações, dor muscular, calafrios, cansaço e reações locais (endurecimento, inchaço, dor, limitação do movimento do braço). Em 1% a 10% ocorrem vômitos e febre. Entre 0,1% e 1% dos vacinados relatam: náusea, alergia grave, gânglios no braço vacinado.

 

  • Vacina Pneumocócica 23-  As reações adversas mais frequentes, que ocorrem com mais de 10% dos vacinados, são: dor no local da aplicação (60,0%), inchaço ou endurecimento (20,3%); vermelhidão (em 16,4%); dor de cabeça (17,6%); cansaço (13,2%) e dor muscular (11,9%). Reações locais mais intensas, com inchaço de todo braço, chegando até o cotovelo, hematoma e manchas vermelhas podem ocorrer em menos de 10% dos vacinados.

 

  • Todas as reações adversas são mais frequentes após revacinação com períodos de tempo curtos. Acredita-se que estejam relacionadas com a presença de grande quantidade de anticorpos no organismo.

 

  • Quais são os cuidados antes, durante e após a vacinação?
  • Não são necessários cuidados especiais antes da vacinação.
  • Em caso de febre, deve-se adiar a vacinação até que ocorra a melhora.
  • Compressas frias aliviam a reação no local da aplicação.
  • Recomenda-se evitar o uso profilático (sem a ocorrência de febre) de antitérmicos e antiinflamatórios antes e nas 24 horas que seguem a vacinação.
  • Qualquer sintoma grave e/ou inesperado após a vacinação deve ser notificado ao serviço que a realizou.
  • Sintomas de eventos adversos graves ou persistentes, que se prolongam por mais de 24 a 72 horas (dependendo do sintoma), devem ser investigados para verificação de outras causas.
  • Os eventos adversos são mais frequentes quando as vacinas são aplicadas no mesmo dia que a vacina DTPw-HB/Hib.

 

  • Onde podem ser encontradas?
  • VPC10 – Nas Unidades Básicas de Saúde, para crianças de 2 meses a 2 anos, e em clínicas privadas de vacinação, para crianças de 2 meses a 5 anos. Nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (Cries), para crianças com até 5 anos de idade que tenham certas condições de saúde que aumentam o risco para doença pneumocócica grave.
  • VPC13 – Em clínicas privadas de vacinação.
  • VPC23– Em clínicas privadas de vacinação.Nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (Cries), para pessoas a partir de 2 anos de idade, adolescentes e adultos com condições de saúde especiais que as tornam propensas a ter doença grave causada pelo pneumococo.
  • Quando é a contraindicada a Vacina Pneumocócica?

Pacientes  que apresentaram anafilaxia após usar algum componente da vacina ou após dose anterior da vacina.

Lembre-se: A melhor forma de prevenção das Doenças Pneumocócicas  é com a vacinação.


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

  • BULAS DAS VACINAS ANTI-PENUMOCÓCICAS 13 VALENTE E 23 VALENTE (LABORATÓRIO WYETH E MSD);
  • MANUAL DE IMUNIZAÇÕES, (CENTRO DE IMUNIZAÇÕES HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEN) 4º EDIÇÃO;
  • GUIA PRÁTICO DE VACINAS E VACINAÇÃO DA SANOFI PASTEUR, EDIÇÃO ESPECIAL 2009;
  • SITE: http://www.vacinas.org.br/Merck03.htm
  • SITE: http://portal.saude.gov.br
  • FOLDERS INFORMATIVOS DAS VACINAS ANTI-PENUMOCÓCICAS 13 VALENTE E 23 VALENTE (LABORATÓRIO WYETH E MSD);
  • MONOGRAFIA DA ANTI-PENUMOCÓCICA 13 VALENTE E 23 VALENTE.
  • https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/76-vacinas-pneumococicas-conjugadas
  • https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/77-vacina-pneumococica-polissacaridica-23-valente-vpp23
  • OBS: IMAGENS RETIRADAS DO GOOGLE – IMAGENS NA WEB.

 

AUTORIA:

ENFERMEIRA ROSEVANE RODRIGUES DE LUCENA COREN – DF 176706 

 DRA. MARTA DE FÁTIMA RODRIGUES DA CUNHA GUIDACCI- CRM: 7.600-DF